sábado, 9 de agosto de 2014

Resenha: Perdão, Leonard Peacock ( Matthew Quick)



Páginas: 264
Editora: Intrínseca
Autor: Matthew Quick
Nota: 4/5
Hoje é o aniversário de Leonard Peacock. Também é o dia em que ele saiu de casa com uma arma na mochila. Porque é hoje que ele vai matar o ex-melhor amigo e depois se suicidar com a P-38 que foi do avô, a pistola do Reich. Mas antes ele quer encontrar e se despedir das quatro pessoas mais importantes de sua vida: Walt, o vizinho obcecado por filmes de Humphrey Bogart; Baback, que estuda na mesma escola que ele e é um virtuose do violino; Lauren, a garota cristã de quem ele gosta, e Herr Silverman, o professor que está agora ensinando à turma sobre o Holocausto. Encontro após encontro, conversando com cada uma dessas pessoas, o jovem ao poucos revela seus segredos, mas o relógio não para: até o fim do dia Leonard estará morto.




Sim, pessoal, estava desaparecida, mas eu estou de volta. Muitos trabalhos e hoje ( sim, sábado) acabei fazendo uma prova. Bem, ando um pouco triste ( não sei se essa é a palavra certa), porém, espero que vocês estejam ótimos. Obrigada por todos os comentários, pessoal. Sério. Vamos para uma resenha de um livro que eu terminei de ler hoje? Não sei se a Ana vai continuar postando aqui, então, será só eu por enquanto ;)
 
Eu sou apenas um garoto idiota… Eu quero saber se crescer vale a pena. Só isso. Preciso saber se aguento… Minha teoria é a de que perdemos a capacidade de ser feliz à medida que envelhecemos.
 
Eu comprei o Lado bom da Vida pela a capa. Sei de toda a história de "não julgue um livro pela a capa", porém, aquela capa preta com detalhes amarelos e completa de frases inteligentes e inspiradoras me fez correr para comprar ele. E apesar de ter gostado muito do livro, tenho que dizer que se você ainda não leu Perdão, Leonard Peacock, ainda não conhece o verdadeiro escritor que é Matthew Quick.
 
O livro começa com Leonard, um rapaz solitário, que praticamente nunca conheceu o amor. Sem amigos, uma mãe ausente e um mundo isolado, sua vida se resume somente a NADA. E é isso que ele sente: Nada. Uma arma P-38 que fez parte da história nazista na mesa de seu café da manhã é o começo de tudo. Leonard só precisa acabar com tudo e claro, matar a pessoa ruim. Asher, merece morrer.
 
 Mate o alienígena, penso. Lembre-se do que ele fez com você. Você tem todo o direito. Ele não é humano. Ele é uma coisa. Um alvo.
 
O livro ocorre durante o dia de seu aniversário, que também será o dia que ele resolve se matar. Muitos de vocês devem pensar que só é um clichê daqueles para derramar lágrimas. Errado. Em nenhum momento pensei em derramar uma lágrima se quer. Perdão, Leonard Peacock é um livro para se identificar e fazer a gente repensar e pensar sobre muita coisa na vida. Será que o preconceito, o abandono, o abuso pode mudar alguém? Um suicida pensa em exatamente sobre quais coisas quando decidi se matar? Você já tentou se aproximar de uma pessoa que parecia triste? A pessoa que você vê todo dia, seja no ônibus, no intervalo da escola ou no trabalho? Será que essa pessoa não precisa ser notada? Pense nisso.
 
Você é diferente. E eu sei como é difícil ser diferente. Mas também sei a arma poderosa que ser diferente pode vir a ser. Como o mundo precisa de tais armas. Gandhi era diferente. Todas as grandes pessoas também pessoas únicas, como eu e você, precisam procurar outras pessoas únicas
que as entendam, para que não fiquem muito solitárias…
 
Em cada pedacinho do livro, fiquei com vontade de entrar nas páginas e dizer para o personagem para ele não ficar triste e superar. Conforme vamos conferindo os presentes sendo entregues, acabamos percebemos que muitas pessoas não são o que parecem e que muitos também vive em uma completa farsa e uma vida ilusória. Fiquei com uma mão n coração ao ler. Só classifiquei com a nota quatro, pelo o final. Só queria mais. Queria saber mais sobre o professor de história, o grande Herr Silverman. Precisamos de muitos professores assim nas salas de aulas. Professores que fazem questão de notar cada aluno. Um livro tocante. Recomendo e recomendo de novo.
 
Leonard, você está mais que perdoado por mim.
 
 
Até mais! XoXo

4 comentários:

  1. Gostei bastante da dica do livro
    E livros que nos despertam tantas emoções assim são ótimos
    Uma ótima resenha
    Já estou seguindo ;)

    Beijos
    http://pocketlibro.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Acredita que eu estava procurando resenhas desse livro hoje? Adorei a sua, o livro parece ser ótimoo... acho que depois de Correr ou Morrer e Ruínas de Gorlan, será o próximo livro que lerei.

    Beijos,
    Camila
    chuvadeejaneiro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Uaaau, adorei a resenha!!! Sempre leio resenhas positivas sobre esse livro e sempre fico com vontade de ler... deve ser ótimo! :)

    Até mais!
    Math // de-livro-em-livro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Esse livro parece ser incrível! Já li varias resenhas dele e quero muito lê-lo!
    a temática do livro e as mensagens de força, parecem nos ajudar a ver o mundo com outros olhos!
    O autor parece ter uma sensibilidade incrivel para escrever sobre assuntos delicados!
    adorei a resenha!

    beijos!

    http://bettinablanco.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Deseja comentar? Fico muito feliz.
- Compartilhe a sua opinião com responsabilidade.
- Se seguir o blog, avise nos comentários para eu seguir de volta.
- Deixe o link do seu blog no final.
- Não vale fazer propaganda sem comentar o post antes.
Obrigada pelo o comentário :)