domingo, 2 de novembro de 2014

Resenha: O Maravilhoso Agora, Tim Tharp

 
Autor: Tim Tharp
Páginas: 320
Editora: Record
Sutter Kelly é O Cara, o rei das festas. Porém, diferente dos amigos adolescentes, não está preocupado com o futuro, está mais interessado em viver o agora. Com um 7Up batizado nas mãos ele está pronto para qualquer coisa. Mas nem tudo anda bem para ele. Vive discutindo com a mãe, o pai há anos não dá notícias, e sua namorada Cassidy lhe deu um pé na bunda. Em meio a esse caos, a doce Aimee pode despertar Sutter para outra realidade. E, pela primeira vez, ele tem o poder de fazer a diferença na vida de alguém, ou de arruiná-la para sempre. O livro que deu origem ao filme
 
 




Sabe aquele livro que acabamos depositando muita esperança e no fim...bem, no fim não passa de mais um livro para entreter que até pode ter a pretensão de passar uma ideia bacana, porém, não passa disso? Se me perguntarem se o livro é bom, vou responder que sim, e claro, vou recomendar. Para entender o meu raciocínio de uma leitora decepcionada com uma obra que tem tudo para dar certo, leiam a resenha.
 
Sutter Kelly é o tipo de cara que leva a vida na boa, aproveitando cada segundo e fazendo qualquer coisa que vem pela a sua cabeça. Ao encontrar um garotinho que está fugindo de casa em busca de seu pai que foi embora, Sutter acaba decidindo adiar um pouco o encontro com a sua namorada (ele prometeu levar ela para arrumar o cabelo no lugar deles estarem na escola) e levar o "pequeno fugitivo para a casa". Isso e outras séries de acontecimentos levam o jovem casal a se separarem (ainda bem, já que Cassidy é uma verdadeira chata). Depois disso, Aimée a-doce-típica-garota aparece para mudar a sua...vida.
 
Provavelmente vocês estão revirando os olhos agora. Não façam isso. Sério. O enredo tem tudo para tornar o livro em uma história fantástica, além do titulo sugerir algo "grande". O que acaba estragando é o fato de Aimée ser aquela garota inocente que no fundo não é tão inocente assim, tornando uma personagem um tanto forçada. Sutter ganha o estrelado, lembrando personagens com sacadas inteligentes em estilos como John Green, Matthew Quick, Julie Cross etc. Porém, não achei que o personagem evoluiu muito ao decorrer dos fatos. E em certos pontos achei que Aimée não mudou coisa alguma em ninguém, pelo o contrário, ela que sofreu transformações nada saudáveis.
 
Um ponto que quero ressaltar é a relação do personagem com o consumo de álcool. Durante o livro inteiro ele cita o 7UP batizado o que garante os 99% das suas horas do dia bêbado. O autor até trabalhou em enfatizar que o personagem sofria com o vicio da bebida, mas achei que ele acabava retrocedendo nesse tema. Na minha humilde opinião, não concordei com isso.
 
Enfim, apesar disso, tenho que dizer que fiquei grudada com o livro até o final. Os personagens são interessantes, mesmo com esses pequenos defeitos possui ideias espertas e o personagem cobre muito bem o seu papel, tomando as cenas. É bacana a ideia de aproveitar o momento, viver a cada dia e viver o maravilhoso agora, abordando alguns assuntos sérios É um livro que recomendo com toda a certeza, mas que deixo claro não ser nada espetacular. O final é um pouco...ok, nunca vou dar spoiler, então, leiam para saberem. É isso.
 
“Mas o que não sei é por que tenho que explicar alguma coisa para alguém. Por que não posso fazer exatamente o que estou fazendo? É o máximo estar na rua tão cedo de manhã, antes mesmo de o sol nascer. É uma sensação de se estar supervivo. É como saber um segredo que todas as pessoas caretas dormindo dentro de casa ignoram. Ao contrário delas, você está alerta e ciente de que existe, bem aqui, neste exato momento, entre o que aconteceu e o que ainda vai acontecer.”

                                                             NOTA: 3/5
Até pessoal e deixe comentários ;)
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deseja comentar? Fico muito feliz.
- Compartilhe a sua opinião com responsabilidade.
- Se seguir o blog, avise nos comentários para eu seguir de volta.
- Deixe o link do seu blog no final.
- Não vale fazer propaganda sem comentar o post antes.
Obrigada pelo o comentário :)